História da nossa paróquia

História da paróquia

Criação da Paróquia

A igreja nova de São Martinho marca o horizonte da nossa cidade e quer assinar uma presença de fé, de Deus que nunca abandona a cidade e a suas gentes.

O local está ligado aos primórdios do povoamento da ilha e nasceu com o crescimento e o desenvolvimento da cidade do Funchal. No início, pertencia à primitiva paróquia de Santa Maria do Calhau e da Sé desde 1508. Em 1566 com a criação da paróquia de São Pedro, ficou dependente desta.

A paróquia de São Martinho foi criada por alvará régio do Cardeal D. Henrique, Rei de Portugal, a 3 de março de 1579. Mais tarde, a freguesia ganhou o mesmo nome do santo padroeiro.

O nome da paróquia e da freguesia deveu-se à existência, na proximidade da igreja velha, de uma pequena capela erguida por Afonso Anes, com a invocação de São Martinho de Tours (316-397).

A escolha do nome do padroeiro surge em 1579 com o alvará da criação da paróquia, indo ao encontro da tradição do culto a São Martinho, a quem os madeirenses haviam implorado a intercessão, durante a peste que assolou o Funchal. A 23 de julho de 1537, a vereação do Funchal fez um voto a São Martinho, para que prontamente desaparecesse a peste. Deste modo, decidiram erguer um altar na Sé com uma capela perpétua, onde se rezaria uma missa todas as quintas-feiras. Ao mesmo tempo, criou-se uma confraria com o nome do santo. O Arcebispo D. Martinho (1533-1547) estabeleceu o dia de São Martinho como feriado na diocese do Funchal.

Com a divisão das paróquias, em 1960, pelo Bispo D. David de Sousa, foram criadas, na freguesia a paróquia da Vitória/Santa Rita e a paróquia de Nossa Senhora da Nazaré.

Igreja de Nossa Senhora do Rosário (igreja velha)
Igreja de Nossa Senhora do Rosário (igreja velha)

Na paróquia de São Martinho já não existe a primitiva capela de Afonso Anes. A mais antiga capela é a de Nossa Senhora da Ajuda, de Fernão Favila, mandada construir na primeira metade do século XVI.

Depois de uma primeira capela, foi edificada no séc. XVII a igreja velha, hoje igreja de Nossa Senhora do Rosário.





Construção da igreja nova

Em face do crescente aumento da população, a igreja velha tornou-se pequena demais. Assim, surge o sonho de um novo templo de grande dimensão. Para tal, foi escolhido um terreno no alto do pico da igreja, seco, arejado, mau para o cultivo. No dia 4 de março de 1881 comprou-se o terreno. No dia 15 de janeiro de 1982, foi adquirido outro terreno anexo. Os trabalhos de terraplanagem iniciaram-se a 14 de março de 1881, numa segunda-feira.

Com grande esforço do pároco, Padre Manuel Pinto Correia, e dos paroquianos, foi lançada a primeira pedra no dia 8 de julho de 1883, com a bênção do Sr. Bispo D. Manuel Agostinho Barreto.

Depois de grandes dificuldades económicas e de trinta anos de obra parada, a construção prosseguiu graças à herança de José de Abreu, que legara quase a totalidade dos seus bens para a construção da igreja. Foi o pároco Teodoro João Henriques que, com coragem, continuou as obras. No dia 24 de junho de 1918, foi benzida a nova igreja e aberta ao culto público. Dizem as notícias dos jornais da altura que o Sr. Bispo benzeu a nova igreja às oito horas da manhã do dia 24 de junho de 1918. Durante a tarde, realizou-se uma procissão com a imagem do Sagrado Coração de Jesus, da igreja velha para a igreja nova, terminando com novena e sermão pelo padre José Marques Jardim. Durante todo o dia, funcionou no adro um bazar em benefício das obras da igreja. O clima foi de festa e de arraial com muitos fiéis a visitar a nova igreja.

Obras de pintura e decoração da igreja nova

O padre Eleutério Caldeira (n.1913;+1964), natural de São Vicente, embelezou toda igreja com as pinturas do teto e das paredes e a colocação da talha do altar-mor, oriundo do Convento de Santa Joana em Lisboa, que havia sido oferecido por D. João V, cuja vinda para a Madeira foi providenciada pelo padre Casimiro Augusto de Freitas. Aí, podia-se ver até 1955, altura em que foi retirado para o Museu de Arte Sacra, o tríptico de Nossa Senhora da Encarnação, bem como a crucificação de Cristo, do século XVIII, pertencentes ao antigo mosteiro da Encarnação no Funchal.

No dia 26 de julho de 1956, foram retirados os andaimes da capela-mor. A decoração e pintura da mesma capela terminaram no dia 14 de agosto de 1956. No dia 16 de agosto de 1956, começaram os trabalhos de colocação dos andaimes destinados à pintura do teto do corpo da igreja e à decoração das capelas laterais. Foi celebrada missa de ação de graças pelo Padre Caldeira, no dia 31 de julho de 1956, ema atenção pela conclusão dos trabalhos da capela-mor e por se terem tirado os andaimes sem perigo (Cf. Notícia histórica da igreja nova de São Martinho).

Em todos estes trabalhos de embelezamento do interior da igreja nova, estiveram presentes os artistas: Henrique Afonso Costa, Alfredo Bernes e João Silvino. Ao artista Afonso Costa coube a orientação dos trabalhos bem como a confecção dos respetivos projetos, pintura no tecto dos motivos centrais e quadros sobre a vida de São Martinho integrados na decoração das paredes. Os quadros baseados em motivos eucarísticos, que decoram a capela-mor, bem como o tríptico colocado na capela de São João Baptista são da autoria de Alfredo Bernes, sendo ainda deste artista e de João Silvino, toda a restante pintura ornamental. Os trabalhos de talha incluindo os lustres da nave central, bem como os bancos e lambris da mesma, estiveram a cargo do artista entalhador Alfredo Pimenta. Os trabalhos de douramento de talha foram executados pelo artista madeirense José Severino de Caires Soares (Cf. Notícia histórica da igreja nova de São Martinho; Dicionário das Festas, romarias e devoções da Madeira, de Manuel da Encarnação Nóbrega da Gama).

No dia 19 de fevereiro de 2014, foi benzido o novo altar da igreja, entalhado pelo mestre Jorge Andrade, e um novo ambão proveniente de Valência, Espanha. Em 2015 a igreja ganhou um novo guarda-vento e suportou restauros importantes no interior da igreja e nas imagens de culto como o Senhor dos Passos, Nossa Senhora das Dores, Santa Rita, Senhor Morto e Cruz. Uma pintura da Imaculada Conceição foi oferecida para a capela de São José. Do mestre Jorge Andrade são também a peanha da Cruz de Cristo, proveniente da igreja velha e o suporte em talha do Círio pascal.



Pároco: Padre Marcos Gonçalves

Nasceu no dia 10 de setembro de 1975.

Ordenado Sacerdote no dia 26 de julho de 2003.

Nomeado Pároco de São Martinho no dia 7 de Setembro de 2013.

Tomou posse no dia 6 de outubro de 2013.



Vida do nosso Padroeiro: São Martinho


São Martinho nasceu no que hoje é a Hungria, no ano 316, e faleceu em Candes, França, no dia 8 de novembro de 397. Foi sepultado em Tours, no dia 11 de novembro. Era filho de um oficial do exército romano. Aos 10 anos, manifestou a vontade de ser cristão e ser batizado, mas o pai alistou-o no exército para o afastar dos cristãos. Na cidade de Amiens, em 338, durante uma ronda noturna no rigor do inverno, encontrou um pobre mendigo, sem roupa e com frio. Com a espada dividiu ao meio a sua capa que repartiu com o desconhecido. Em sonhos viu Jesus que lhe disse: "Martinho cobriu-me com a sua capa". Fez-se verão

Recebeu o batismo na Páscoa, em 339. Aos 40 anos, abandonou o exército e foi ordenado sacerdote por Santo Hilário de Poitiers. Levou uma vida monacal. 

Contra a sua vontade foi escolhido pelo povo para Bispo de Tours, em 371. Ainda tentou fugir e esconder-se, mas um ganso denunciou-o ao grasnar junto ao seu esconderijo. Como bispo foi um ardente propagador da fé. Fundou mosteiros, donde saíram notáveis missionários e reformadores. Demoliu templos pagãos. Tornou-se, pela sua caridade, o primeiro santo da Igreja a ser canonizado pelas suas virtudes e obras de caridade. 

É celebrado no dia 11 de novembro.




Nossa Senhora do Patrocínio
Nossa Senhora do Patrocínio

Párocos da nova igreja

Padre João Correia

Nasceu a 21/05/1882 e faleceu a 06/01/1921

Pároco: 07/08/1909 a 1921


Padre António Joaquim Figueira

Nasceu a 07/03/1898 e faleceu a 28/09/1959

Vigário interino de 16/01/1918 a 22/02/1930


Padre Manuel Gomes e Silva

Nasceu a 01/12/1870 a faleceu a 19/05/1964

Pároco: 22/02/1930 a 30/04/1954


Padre Eleutério Caldeira

Nasceu a 11/03/1913 e faleceu a 20/08/1964

Cura: 02/10/1937

Pároco: 30/04/1954 a 18/08/1964


Cónego Francisco Xavier Gomes Ribeiro

Nasceu a 25/05/1929

Pároco: 21/08/1964 a 29/09/1966


Padre Manuel Alzirinho de Abreu

Nasceu a 17/11/1910

Pároco: 02/10/1966 a 1970


Padre Eduardo Nascimento

Nasceu a 09/10/1929 e faleceu a 18/02/2016

Pároco: 18/10/1970 a 30/09/1989


Cónego João Francisco Dias

Nasceu a 04/06/1952

Pároco: 30/09/1989 a 07/09/2013


Padre Marcos Fernandes Gonçalves

Nasceu a 10/09/1975

Nomeado Pároco: 07/09/2013; Tomada de posse: 06/10/2013